As Origens de Digimon

publicado em  25.5.15


Qual a origem de Digimon? Seria apenas uma franquia criada para disputar com os Monstrinhos de Bolso (coisa que quem é fã sempre escuta com frequência)? Tire suas dúvidas e desvende os mistérios que envolvem a origem de Digimon no texto abaixo!

Digimon nem sempre foi anime, e muito menos surgiu de um mangá... Digimon surgiu muito depois da criação dos "Monstros Digitais". Mas como isso seria possível? Para entender o porquê dos "Monstros Digitais" virem antes dos Digimons, é necessário voltar um pouco no tempo:

Aki Maita e os Tamagotchis, foto de 1997.

Em 1967 nasceu Aki Maita, que com apenas 23 anos se tornou funcionária da Bandai. Em 1995 ela foi responsável pela criação dos tamagotchis. Desde pequena Aki amava animais de estimação, além de ter um interesse em assuntos relacionados a Inteligência Artificial (é bom destacar que na década de 90 assuntos relacionados a novas tecnologias - Era Digital - estavam em alta, e a criação de robôs, ou outros tipos de aparatos, com inteligência artificial era uma das grandes ambições dos cientistas da área). Ela assim criou os "monstros de estimação", conhecidos como Tamagotchis (e que nós, brasileiros, chamávamos de Bichinhos Virtuais, febre por aqui no finalzinho da década de 90).

Tamagotchi é a junção de duas palavras, uma japonesa: Tamago (ovo) e a palavra inglesa Watch (ver/vigiar). Eles são monstros eletrônicos que vivem num pequeno dispositivo, prático para levar no bolso ou colocar no chaveiro. A princípio você fica observando um ovo (daí o nome), que logo se torna um monstro pequeno. A medida que você vai cuidando, dando comida, banho, brincadeira, remédio, etc, ele vai "evoluindo", ou seja, cresce para uma outra forma (princípio da digievolução). Porém, para isso, é necessário fazer com que o bichinho esteja "Feliz", pois assim eles poderão atingir até 4 níveis de evolução.

Os tamagotchis viraram febre entre pessoas de todas as idades no Japão inteiro (apesar do público principal serem as crianças), e logo se espalharam pelos 4 cantos do mundo. No Brasil chegou com grande alvoroço, sendo muito divulgado pela Angélica, no seu programa Angel Mix no final da década de 90. Existiam vários modelos com monstrinhos variados, e os colecionadores ficavam ansiosos para obterem todos. Nas escolas viraram problema para os professores, já que as crianças deixavam de prestar atenção nas aulas para darem comida aos bichinhos... Porém ainda faltava algo para atingir 100% do mercado. Os Tamagotchis eram mais populares entre as meninas, e para atrair os garotos a Bandai resolveu fazer certas mudanças.

V-Pet versão 1.

Motivados pelo enorme sucesso que os tamagotchis estavam fazendo mundo afora, em 1997 a Bandai desenvolveu um novo projeto, resolveu tentar deixar os tamagotchis mais "atraente" aos rapazes. A ideia era fazer um tamagotchi que pudesse lutar contra outros tamagotchis, formando assim um jogo ainda mais interativo, e que consequentemente renderia ainda mais dinheiro.

Nasceram assim os V-Pets (bichos virtuais), que não são nada mais que tamagotchis que podem lutar entre si. Além de você poder treiná-lo e colocar para lutar, é necessário dar comida e todas as outras coisas do tamagotchi. Para ele evoluir agora era necessário um pouco mais de trabalho: treinamento e vencer algumas lutas. Como já era de se esperar os V-Pets ficaram famosos, porém nem tanto como os tamagotchis.

Capa do mangá C'Mon Digimon.

Esses mesmos V-Pets serviram de inspiração para Tenya Yabuno criar um mangá de 44 páginas chamado "C´Mon Digimon". Sendo a primeira vez que o título Digimon (Monstros Digitais) foi utilizado. Desenhado durante o verão de 1997, Yabuno não tinha qualquer intenção de publicá-lo. O autor declarou que a história não teve nenhuma supervisão da Bandai (o que explica o design diferente dos monstros).

O nome Digimon, Digital Monsters, foi utilizado como sinônimo de V-Pets, Virtual Pets.

"C´Mon Digimon" é um mangá que narra a história de Kentarou, um rapaz que quando era criança quase morreu num incêndio. O seu cão, Bun, morreu para salvá-lo, e o trauma sempre ficou na memória do protagonista. Kentarou parece uma criança revoltada que detesta animais, e seria a última pessoa capaz de possuir algo tão infantil como um V-Pet... Mas, surpresas acontecem quando um certo V-Pet surge em sua vida.

Nesta história, Digimons são apenas criaturas que podem ser projetadas em hologramas, simulando uma vida artificial. O protagonista chama seu V-Pet de "Bun"... O tratamento "Mon" parece dar os primeiros passos.

Imagem do mangá Digimon Adventure V-Tamer 01.

C'mon Digimon nem sequer foi publicado, e ficou guardado na gaveta por um bom tempo. Mas o conceito "Digimon", iniciado por ele, foi aproveitado no ano seguinte de sua criação. Em 1998 foi lançado pelos mesmos autores, o mangá oficial "Digimon Adventure V-Tamer 01". E é com este mangá que podemos falar que Digimon começou!

A partir de então o nome Digimon tornou-se oficial e o nome V-Pet caiu em desuso, o último nome só começou a ser usado para modelos derivados, e não relacionados com os animes e mangás de Digimon.
O primeiro capítulo de Digimon V-Tamer foi lançado em novembro de 1998, na revista V-Jump. Consideramos este como "Digimon verdadeiro", pois essa foi a primeira história de longa duração da franquia.

O protagonista deste mangá é Taichi Yagami, este foi inspirado no personagem Kentarou de C'mon Digimon e conquistou a simpatia do público com facilidade (tanto que ele foi reutilizado em Digimon Adventure - anime). Porém este não é o mesmo Tai que conhecemos no anime, a aparência e personalidade podem ser exatamente iguais, mas eles são personagens diferentes.

C'mon Digimon finalmente foi publicado junto com o 2º volume de Digimon V-Tamer, mas foi considerado apenas como uma edição especial.

A história de Digimon V-Tamer começa quando Taichi participa de um torneio de lutas de Digimon (a plataforma usada é a mesma dos V-Pets). Por algum estranho motivo Taichi é desqualificado, e o seu Digimon não é reconhecido pela base de dados do torneio. Pensando que o aparelho estava quebrado, Taichi tenta repará-lo, mas ele acaba sendo sugado para um mundo desconhecido, o Digital World (Digimundo), onde ele conhece pessoalmente seu V-Pet (ou seja, seu Digimon). Neste universo, o parceiro de Taichi não é Agumon, e sim Zeromaru, um V-dramon que evoluiu de um Agumon (nesta história os Digimons têm nomes próprios). E esta é a primeira aparição do Digital World (Digimundo), o mundo paralelo formado pela rede de dados dos computadores do Mundo Real, e o conceito que serviu de base para os futuros animes e mangás!

Digimon Adventure, o primeiro anime.

Na época de publicação de Digimon V-Tamer, o Japão também ganhava destaque mundo afora com seus animes. Séries como Dragon Ball e Saint Seiya se tornaram muito populares em escala mundial. Resultado disso foi a grande evolução da indústria de animação nipônica, onde começou a ser muito frequente que um mangá fosse adaptado para anime, depois do sucesso do mesmo.

Em 1999 a história de Digimon V-Tamer tinha apenas 1 ano de existência, e ainda nem tinha sinal de que ia parar (o mangá terminou em 2003), por enquanto seria impossível criar uma versão anime a partir dela... Porém uns outros monstrinhos estavam fazendo sucesso em nível mundial, com uma velocidade incrível e a Toei naturalmente precisava de um título para "rivalizar" com o fenômeno Pokémon. A empresa então comprou os direitos do autor, e apesar de terem mantido o personagem Taichi Yagami como protagonista, mudou completamente a história de V-Tamer. Assim nasceu o primeiro anime de Digimon, com novos personagens e uma nova trama, apesar de vários fatores serem baseados e comuns a V-Tamer.

Cena do prólogo de Digimon Adventure exibido nos cinemas.

No dia 6 de março de 1999, estreou nos cinemas japoneses um filme de 20 minutos chamado Digimon Adventure, realizado por um animador chamado Hosoda Mamoru e financiado pela Toei. A ideia foi fazer uma espécie de preview, ou prólogo, do que estaria por vir a partir do dia seguinte na TV. No dia 7 de março estreou na televisão japonesa uma série animada de mesmo nome, que foi o pontapé inicial para o que veio a ser uma das maiores apostas da Toei e da Bandai: Digimon em Anime. O sucesso foi tão grande, que no ano seguinte fizeram uma sequência!

Digimon Tamers, Digimon Frontier, Digimon Savers, Digimon Xros Wars e Digimon Universe: Appli Monsters continuam sendo baseados nos personagens originais de Digimon, e na história de V-Tamer e alguns outros mangás e games lançados... Porém podemos defini-las como: "Universo paralelo", ou seja, elas não são sequências, cada série vê de uma forma diferente o Mundo Digital.

Tudo isso só ajudou ao crescimento do título que até hoje rende anualmente milhões para a Bandai!
Comentários
Gonca  

Gostaria de dar os parabéns a vocês, apesar de não comentar por aqui, acesso o site praticamente todos os dias, esperando ansioso por novidades sobre digimon, seja o DMO, seja num novo jogo para os consoles, seja na TV, procuro sempre me manter antenado e escolhi esse site como minha fonte primária! Parabéns por esse artigo maravilhoso!